Revista Geração Sustentável – A Revista do Desenvolvimento Sustentável Corporativo

Acessar conteúdo exclusivo



Esqueceu a senha? Registrar-se


Parceiros e Anunciantes

EDITORIAL: EDIÇÃO 38 – LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL

Postado em 17 de julho de 2014 por Revista Geração
Categoria: Desenvolvimento Sustentável, negócios, responsabilidade social, socioambiental, sustentabilidade

Editorial: Sinal verde para iniciativas sustentáveis no setor de transporte

Esta edição traz um olhar diferenciado sobre o processo de sustentabilidade corporativa. A abordagem objetiva uma compreensão dos impactos criados (e como mitigá-los) no processo logístico.

Geralmente, os debates e as iniciativas ficam mais centrados nas soluções para os impactos causados pela matéria-prima ou por criatividade e inovações no processo produtivo, bem como na gestão de toda a cadeia dos resíduos gerados, tanto na produção como no consumo.

De forma geral, o debate ainda está muito mais direcionado para o impacto na industrialização direta dos produtos e pouco para os serviços ligados, direta ou indiretamente, a esses produtos. Um dos serviços que entram nesse debate, devido ao volume de emissão de gases poluentes, é o transporte. Para um entendimento do impacto dessa atividade, o último inventário de emissões de gases de efeito estufa realizado na cidade de São Paulo mostrou que mais de 60% das emissões são provenientes dos serviços de transporte. Dentro dessa atividade, o combustível chega a representar até 40% dos custos variáveis de manutenção de uma frota. Visando reduzir os impactos e encontrar soluções, algumas empresas de gerenciamento de frotas desenvolveram mecanismos para que seus clientes monitorem e controlem as emissões de CO2, provenientes da circulação dos seus veículos. Soluções para o gerenciamento desse abastecimento, que é uma maneira de tornar mais eficiente a operação, a qual, combinada ao gerenciamento das demais necessidades das frotas, está ajudando a reduzir as emissões de gases e garantir créditos de carbono.

Conforme informado pelo site cargobr, tratando-se dos EUA, até 2020, são esperadas 90,1 milhões de toneladas de mercadorias movendo-se diariamente nos Estados Unidos. E, nesse ritmo, espera-se um aumento de emissões de carbono em 40% nas próximas décadas, de acordo com o “Department of Energy’s Annual Energy Outlook”. Esses fatores combinados significam que empresas que transportam qualquer tipo de carga vão enfrentar uma importante pressão para tornar suas operações mais ecológicas e sustentáveis.

Com o intuito de provocar mais esse debate e também de ampliar a visão sistêmica da sustentabilidade dos negócios, esta edição traz, na sua temática de capa, entrevistas e opiniões de profissionais que atuam no setor de transporte. Esta edição ainda traz uma matéria, do CPCE regional, sobre as iniciativas das empresas dos Campos Gerais, além de conteúdos sobre reciclagem de óleo de fritura e acerca da atuação do WTC (Word Trade Center) da região Sul.

Boa leitura!

 

EDITORIAL: EDIÇÃO 37 – LIDERANÇA E SUSTENTABILIDADE

Postado em 15 de abril de 2014 por Revista Geração
Categoria: Desenvolvimento Sustentável, negócios, responsabilidade social, socioambiental, sustentabilidade

Gestores proativos para empresas sustentáveis

A ideia de elaborar um tema de capa que tratasse da atuação transformadora do gestor surgiu durante o lançamento do Programa Ecos de Sustentabilidade do Sistema Fecomércio, no início deste ano. No encerramento desse evento, o vice-presidente Paulo Nauiack enfatizou para os colaboradores do sistema a importância de uma atuação focada na mudança e na conscientização para uma gestão mais sistêmica, uma atuação efetivamente de “protagonista”.

Essa atuação proativa é fundamental para uma cultura de sustentabilidade ser iniciada, ou mesmo continuada, dentro das organizações. Vivemos um momento de promover o engajamento dos colaboradores para a transformação dos nossos negócios. Muitas empresas desejam implantar projetos, criar programas e reposicionar sua atuação. Para esse processo acontecer, é fundamental que o primeiro passo contemple a cultural organizacional. Precisamos de gestores que sejam líderes e que comprem essa ideia de repensar a empresa, se não teremos apenas projetos bem elaborados no papel. Dentro dessa linha, essa edição traz exemplos de empreendedores que arriscaram iniciar seus negócios com o lançamento de produtos inovadores. A entrevista principal traz o empresário Adonai Arruda que possui negócios em vários setores. As entidades da cidade de Maringá, signatárias do Pacto Global, são destaques na editoria de Responsabilidade Social Corporativa. Trazemos também conteúdos relacionados à reciclagem de madeira, à sustentabilidade hospitalar e à reutilização de fios do setor têxtil.

Esta edição apresenta também um espaço novo, denominado “Sustentabilidade em foco”, localizado em nossas primeiras páginas. Um espaço para profissionais que atuam diretamente com a sustentabilidade empresarial.  O espaço apresenta textos curtos e diretos, com comentários amplos e que podem ser utilizados como referência para os nossos leitores!

Boa leitura!

 

EDITORIAL: EDIÇÃO 36 – O VALOR DA SUSTENTABILIDADE

Postado em 15 de abril de 2014 por Revista Geração
Categoria: Desenvolvimento Sustentável, negócios, responsabilidade social, socioambiental, sustentabilidade

A mensuração da sustentabilidade no mercado de ações

A última edição desse ano traz como tema de capa a sustentabilidade sob a ótica do mercado de ações. As bolsas de valores, por intermédio do lançamento de alguns índices com agrupamento de empresas, vêm apresentando opções diferenciadas para esse mercado, que está sendo bem receptivo para direcionar seus investimentos para negócios mais sustentáveis.

O mercado de ações sempre foi visto pelo interesse imediato do ganho financeiro. Os investidores redirecionam rapidamente seus recursos para aqueles negócios que apresentam promessa de maior lucratividade. Nesse sentido, o “humor” dos investidores em ações tende a alterar pelas notícias dos resultados que os negócios estão apresentando.

As empresas lançam/comercializam suas ações nas bolsas visando à captação de recursos financeiros, com menor custo, para investimentos em seus negócios. Os investidores que adquirem essas ações criam a expectativa de maiores ganhos do que em outras opções de investimentos (taxa de oportunidade). Entre esses interesses, considerando uma dinâmica de oferta e demanda de ações, os investidores vão comprando e vendendo suas ações no decorrer do tempo.

Outro aspecto defendido por especialistas é que os investimentos nesse mercado devem ser visto em longo prazo. Esses consultores de mercado recomendam que os investidores não se apavorem com quedas repentinas no valor das ações, e que as mesmas terão recuperação no futuro, desde que os negócios continuem e sejam lucrativos. Nessa linha de longo prazo, os índices que contemplam negócios sustentáveis ficam mais interessantes. Empresas sustentáveis são empresas que desejam dar lucro não apenas no momento presente, mas que gerem valor para a sociedade e que possam contemplar resultados no médio e no longo prazos. Essa visão fica mais tangível, por exemplo, nas empresas que fazem parte do ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial) da Bovespa. Essas empresas estão apresentando resultado superior à média do Ibovespa, índice médio de todas as empresas que possuem ações na Bovespa. Além desse índice, a matéria de capa aborda também outros índices, como o índice Dow Jones de Sustentabilidade.

Na editoria “Visão Sustentável”, são apresentados os projetos do grupo Emisa Plaenge, que receberam certificação LEED. A matéria do CPCE (Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial) traz uma abordagem sobre os direcionamentos dos recursos do imposto de renda para projetos sociais. A edição traz, ainda, novos exemplos de empresas que participam do WTC (World Trade Center), empresas que atuam de forma sustentável, bem como uma matéria sobre os resultados do uso de tijolos ecológicos na construção civil.

Boa leitura!

Acesse abaixo a versão digital e tenha acesso a todo o conteúdo da edição!

EDITORIAL: EDIÇÃO 35 – COMÉRCIO SUSTENTÁVEL

Postado em 7 de novembro de 2013 por Revista Geração
Categoria: Desenvolvimento Sustentável, negócios, qualidade de vida, responsabilidade social, socioambiental, sustentabilidade, Uncategorized

Editorial – Edição 35


Os caminhos para a sustentabilidade no varejo


Esta é uma edição especial! Trazemos como temática de capa o posicionamento atual e as tendências que o setor varejista vem adotando dentro do contexto da sustentabilidade. O setor do comércio iniciou  intenso debate e vem procurando soluções para atuar de forma mais efetiva nas questões socioambientais. Dentro desse cenário, as soluções para a gestão de resíduos e as alternativas para a viabilização de processos de logística reversa está encabeçando a pauta estratégica do setor!
Nesse contexto, trazemos como entrevistado principal da edição o presidente da Fecomércio/PR, Darci Piana. Em sua abordagem, Piana destaca a importância de uma educação ambiental e a implantação de um processo de responsabilidade compartilha entre dos diversos agentes de mercado. O primeiro passo é promover acordos setoriais, procurando discutir as necessidades, as adaptações necessárias e também as oportunidades para cada segmento.

Em nossa matéria de capa, destacaremos as principais iniciativas paranaenses que estão sendo implantadas. Ações com o recolhimento de embalagens e destinação final de produtos são alguns exemplos. O setor comercial, ligado ao uso de óleos lubrificantes e de pneus inservíveis, até por serem resíduos classificados como perigosos, já possui projetos consolidados na gestão e destinação desses rejeitos. Outro exemplo é o processo de recolhimento de embalagens de agrotóxicos. O Brasil é recordista mundial em volume de recolhimento, atingindo 94% de embalagens devolvidas. A matéria contempla ainda a descrição de projetos socioambientais das empresas Empalux, Martinaço e da Rede de Supermercado Condor.

A edição traz, ainda, uma matéria sobre a MVC, empresa paranaense com sede em São José dos Pinhais, sobre projetos inovadores na produção de painéis de plástico. No espaço responsabilidade social corporativa, destacam-se os desafios para a inclusão de pessoas com deficiências no mercado de trabalho. A edição ainda traz uma matéria sobre piscinas ecológicas.

Boa leitura!
Pedro Salanek Filho

Clique aqui na versão digital e tenha acesso a todo o conteúdo da edição!